quinta-feira, 27 de outubro de 2011

O RESPEITO ao próximo e o significado de GENTILEZA



Pessoa crítica que sou, hoje foi dia!
Já aprendi a não falar, a deixar a cena se desenrolar e usar o blog, mas hoje quase caí em tentação.

Imaginem a cena:

__ Irmã, irmã, tudo bem irmã?
__ Oi, irmão, tudo. Só um momento que vou organizar as coisas aqui pra comprar a passagem.
(...minutos se passam).
__ Ô mocinha bênção de Deus, cadê sua mãe?
__ Ela está ali, ajeitando as bolsas na fila. Eu vou comprar as passagens
(...o sujeito é, agora, o segundo de uma fila quilométrica e a adolescente de seus 13 anos, a décima)
__ Me dá aqui. Eu compro para vocês. Ô irmã, eu compro - grita o bonito para a "irmã". 
__ Precisa não, irmão, a menina compra.
__ Ô irmã, tô na frente, compro. Afinal, nós somos irmãos em Cristo.

Você ali, de pé por quase meia hora, depois de ter passado manhã inteira e parte da tarde trabalhando loucamente e esperando para comprar passagem, embarcar, preparar-se para trabalhar durante o trajeto  que faz para fechar o dia trabalhando em uma outra cidade e o bonito tira uma mocinha da fila para botar na sua frente!

Bom, este é o menor dos problemas.
Para mim, na verdade, o que chamou a atenção foi a idéia de "irmãos" que nosso protagonista tem.

Nada contra uma pessoa querer ajudar outra, especialmente uma conhecida.
O que incomoda é ele não pensar no fato de que a suposta ajuda dele é, na verdade, uma atitude coletiva.
Sim, coletiva! Eu e as demais pessoas da fila pagamos o preço da demora. E ele nem nos considera irmãos!

Se eu estiver enganada e ele tiver pensado no coletivo, pior ainda: Desrespeitou meu direito sagrado (e dos demais) de dizer "não".

Ôpa, eu sou gentil! Não me vejam de forma equivocada.

Só que fico pensando um monte de coisas quando este tipo de atitude ocorre.
Pensem comigo:

1. Partindo do mesmo pressuposto do sujeito benfeitor da fila, eu posso parar o carro em fila dupla no momento em que eu entender necessário deixar aquele conhecido na porta de seu local de trabalho. E daí a opinião dos demais que ficaram parados atrás de mim, esperando?

2. Posso, ainda, segurar o caixa do supermercado enquanto vou buscar para minha vizinha, ao telefone, aquela meia dúzia de itens que ela acaba de encomendar. E daí se o povo atrás já está nos cascos por estar de pé esperando depois de andar todo supermercado atrás das coisas  que os repositores mudam de lugar?

3. Já que quem faz gentileza para outros pode também fazer para si, me seria garantido, sem dúvida, o atendimento na manicure ainda que eu chegue meia hora atrasada. Qual o problema das próximas clientes terem que esperar, cada uma, todos os minutos do meu atraso?

Nossa! Eu sou mesmo um monstro!
Esqueçam tudo o que eu disse e 'bóra' ser gentil, gente!
Que importa que os demais esperem???
Basta que eles se enquadrem no conceito de gentileza de nosso protagonista e sejam gentis também, certo?
.
.
.

Nenhum comentário: