quarta-feira, 9 de junho de 2010

A diferença entre o ônibus e o carro.

No dia de hoje eu percebi, claramente, a diferença entre usar ônibus e usar o carro.

Não, eu não vou falar sobre o trânsito caótico de Vitória, ou sobre os ônibus lotados, ou sobre a espera no ponto, ou sobre os novos terminais urbanos que - como os antigos - oferecem condições mínimas de conforto.

A diferença, pra mim, hoje, se resume ao fator humano:

Estava eu parada e quieta no meu canto (kkkkkkkkk), na fila do 527, no intuito (ou sonho) de chegar à UFES até às 13h30min., quando observei que a mochila da Pucca na menina que estava à minha frente não era nem vermelha, nem preta (!).

Foi o suficiente para eu entender que deveria partilhar minha constatação (?) com ela e para iniciarmos um longo bate-papo que se estendeu até que eu descesse na UFES, mas que teria durado até que ela descesse na Serra ou até que descessemos sei lá onde, se nossos trajetos perdurassem além.

Ela ficou escandalizada com o fato de eu não conhecer os melhores "points" de Campo Grande e convidou-me a sair com seus amigos hoje à noite. Disse que são muito pirados e que eu me encontraria no meio deles já que pareço tanto quanto (?).

Juro que, se não fosse o cansaço, eu iria. Mas, lá fora tá frio demais e minha caminha tá quentinha demais.
Depois que parei de beber e de andar com loucos psicóticos (kkkkkkkkk) tenho topado menos programas undergrounds do tipo "sentar pra beber e morrer de frio num barzinho de calçada"...

Mas, daqui a pouco, volto ao normal (?)...
kkkkkkkk

RESUMO DO DIA:
Cris feliz por ter chacoalhado no Transcol como preço de uma companhia tão agradável.
Viu? Se eu estivesse no meu carro teria, como contato humano, no máximo, um xingamento dirigido, de vidros fechados, ao motorista ao lado.
A vida é bela, mesmo que o 748 nunca esteja no horário!
kkkkkkkkk

Um comentário:

Fátima disse...

Vem, mocinha...vc está mesmo precisando de férias...rs

Tilin