quinta-feira, 19 de abril de 2012

GUETOS

O facebook pergunta o que estou pensando...

Bem, eu estou pensando que estou indignada com um edital de seleção que acabei de achar (por acaso) em minhas pesquisas 'internéuticas' a respeito de gênero e raça.

As vagas de estágio, abertas pelo Instituto Mídia Étnica, tinham como primeiro requisito "Ser afrodescendente (trata-se de um programa social para promoção da equidade)".
Juro que não entendo!

Não sou afrodescendente (acho...) e, independente de parido o preto/negão/zé/gatinho/filhote mais charmoso do facebook há exatos 13 anos (parabéns Ricardo Bruno!), não vejo problema algum em um branco/amarelo/azul/verde/vermelho assumir quaisquer daquelas vagas.

A/o sujeita/o só tem que ser bom em comunicar-se...

E, quer saber, se o foco das atividades é "cobertura e divulgação das atividades do movimento negro e da arte negra em seus respectivos estados", nada melhor que um branco/índio/oriental ou seja lá o que for para falar a respeito, não?

Só negros podem falar sobre negros? Por que precisamos continuar separando pessoas por cor, como se fossem roupas em um closet?

Só homossexuais podem defender o direito de as pessoas fazerem o que quiserem, enquanto adultos e capazes, dentro de suas quatro paredes?

Só mulheres podem defender as causas femininas? Qual o problema de homens pesquisarem/pensarem/defenderem/analisarem a questão da equidade quando o assunto é gênero?

Crentes/religiosos e ateus/agnósticos não podem mesmo sentar e conversar/dialogar/debater seja lá sobre o que for? É preciso mesmo essa coisa de dividir pessoas em religião e seitas, como se uma crença ou descrença fosse melhor ou pior que outra?

O facebook perguntou, eu respondi. Humpf!!! Mas, gostaria de viver em um mundo que tal assunto sequer passasse pela minha cabeça...

"Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, por sua origem ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender e, se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar."
(Nelson Mandela)

Segue o link causador da minha birra: http://correionago.ning.com/profiles/blogs/programa-de-equidade-racial-no-nordeste-brasileiro-selecao-de-com

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Vamos brincar de imaginar?

Imagina que você tem 11 anos....

Imagina que o amor, para você, se resume a ficar nervosa toda vez que tem a chance de dividir um sorvete de padaria de bairro com aquele ser humano...

Imagina não saber o porque de aquele ser se destacar na multidão...

Imagina querer, para sempre, viver de sorvete, milk shake e canudinhos compartilhados...

Imagina imaginar que poderia beijá-lo...
Imagina imaginar que não faz menor idéia de como fazê-lo...
Imagina imaginar o que fazer com suas mãos quando está perto dele...

Agora não imagine. Acorde! Você já tem 33 anos!

E ele está à sua frente, ao alcance dos seus lábios...

terça-feira, 17 de abril de 2012

Eu não teria melhores palavras para este momento...


“Não se concentre tanto nas minhas variações de humor,
apenas insista em mim. 

Se eu calar, me encha de palavras, 
me faça querer dizer outra e outra vez sobre você, sobre nós, e todo esse amor. 

Se eu chorar, não me faça muitas perguntas, não precisa nem secar minhas lágrimas. 
Só me diz que você continuará comigo pra tudo, que tenho teu colo e teu carinho. 

E ainda que te doa me ver assim, me envolva nos teus braços e diga que eu posso chorar, 
mas que você não sairá dali enquanto eu não sorrir. 

Porque é isso que nos importa, não é? 
O sorriso um do outro.”

Caio Fernando Abreu

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Você sabe o que é felicidade?

Felicidade é desejar que o tempo logo passe.
E. então, desejar que congele.

Felicidade é rir sozinho ainda que a pessoa com quem ou de quem se ria esteja a milhas de distância.

Felicidade é saber que, ainda que o outro lado da cama esteja vazio, sempre tem alguém lá.

Felicidade é ânsia, é desejo, é espera.
É não querer nada além daquele momento.
É sentir-se plena, 24 horas por dia.
É contar minutos, segundos, para sentir-se completa.

Felicidade é saber que, ao toque daquele botão, uma voz rouca e grave lhe dirá ‘bom dia’ e lhe mentirá, num pigarro, ao dizer que já estava alerta: “nem dormi, você sabe que não durmo...”

Felicidade é esperar, (im)pacientemente que o sol se levante, que seu trabalho prospere, que a lua se achegue e que, do outro lado da linha, aquele alguém te coloque para dormir... 

segunda-feira, 9 de abril de 2012

FEVER

Não se iludam.
Definitivamente, não sou ‘sapatão’.
Esbarro no primeiro requisito: Eu o-d-e-i-o Ana Carolina.
Tirando ‘Garganta’, eu nunca, nunca, nunca mesmo, nem 'ever', nem 'forever' gostei dessa bichinha.
Cruz credo! Pato-magalô trêis vêiz....

Madonna cantando Fever dá até pra encarar...
Mas, Ana Carolina é um negócio meio estranho.
Esquisito, tenso, horripilante...

Tá bom, tá bom...
Quem me conhece sabe que respeito todos os gostos: todos mesmo!
Mas, a Ana Carolina tá fora de cogitação.
Sobe capeta! Quero descer!
(isso aqui tá pior que o inferno)

Peggy Lee cantando Fever, assim como tem que ser: 


Este post foi escrito em  01.04.2012, às 18h32min.

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Aqui

sopra 
apaga 
rejeita
esconde

mata
morre 
extingue
consome

... e me faz
tristeza
solitude
depressão

domingo, 1 de abril de 2012

Se você soubesse a falta que me faz, teria pedido mil autorizações antes de ir embora...

E continua faltando...

Naquela mesa ele sentava sempre
E me dizia sempre o que é viver melhor
Naquela mesa ele contava histórias
Que hoje na memória eu guardo e sei de cor
Naquela mesa ele juntava gente
E contava contente o que fez de manhã
E nos seus olhos era tanto brilho
Que mais que seu filho
Eu fiquei seu fã
Eu não sabia que doía tanto
Uma mesa num canto, uma casa e um jardim
Se eu soubesse o quanto dói a vida
Essa dor tão doída, não doía assim
Agora resta uma mesa na sala
E hoje ninguém mais fala do seu bandolim
Naquela mesa ta faltando ele
E a saudade dele ta doendo em mim
Naquela mesa ta faltando ele
E a saudade dele ta doendo em mim

[http://letras.terra.com.br/nelson-goncalves/47663/]